16 de Junho de 2017 Cícero Araújo
Imprimir    E-mail

Na PB. Após ser lançada em Campina Grande, campanha será intensificada em Patos e regiões onde há festas juninas

Depois de ser lançada em Campina Grande e receber a adesão de artistas e autoridades, foi a vez de cidades do Sertão e Cariri receberem a campanha #Chega de Trabalho Infantil, do Ministério Público do Trabalho (MPT). Ela foi lançada em Patos na última terça-feira, durante workshop para capacitar comerciantes que trabalharão no São João da cidade, que tem uma das principais festas juninas da Paraíba. 


A campanha foi lançada no Ginásio da Fip (Faculdades Integradas de Patos) pelo procurador do Trabalho Raulino Maracajá, com a participação do prefeito da cidade e de representantes da Rede de Proteção à Infância (Creas, Conselhos Tutelares, etc.) de vários municípios do Sertão, onde há festejos de São João e São Pedro. 

Kits. Kits com leques, porta-copo, lixeirinhas para carros, cartazes e camisas da campanha contra a exploração do trabalho infantil foram entregues pelo MPT a representantes de municípios do Sertão. 


“Essa parceria entre o MPT e a Secretaria de Desenvolvimento Social é de fundamental importância, principalmente para preservarmos as gerações futuras. Elas não têm de estar na vulnerabilidade da noite e a prefeitura está vigilante, cobrando  nesse sentido. E aqueles que brincam o São João podem saber que estão fazendo de forma correta e, principalmente, protegendo nossas crianças”, afirmou o prefeito de Patos Dinaldinho Wanderley, que recebeu um kit da campanha das mãos do procurador. 


A campanha do MPT #Chega de Trabalho Infantil – em parceria com gestores públicos e rede de proteção à infância busca a adesão de artistas, cantores, autoridades, mas principalmente o apoio e engajamento de toda a sociedade, de pais e comerciantes para erradicar qualquer tipo de exploração da mão de obra de crianças e adolescentes.

Comerciantes assinam termo

Tanto em Campina Grande quanto em Patos, comerciantes que estiverem trabalhando nas festas não poderão explorar  mão de obra infantil. O comerciante que estiver colocando criança para trabalhar, para vender comidas, bebidas ou outros produtos, podem ser denunciados pelos conselhos tutelares, pela Secretaria Municipal de Ação Social, por outros órgãos de defesa da criança ou pela própria população. Casos de crianças e adolescentes sendo exploradas sexualmente também devem ser denunciados  pelo Disque 100. 


Em Patos, um Termo de Ajuste de Conduta foi assinado pelos barraqueiros que vão trabalhar na festa, que acontece de 20 a 25 de junho. O comerciante que for flagrado explorando mão de obra infantil, poderá ser excluído do São João do próximo ano. 


A cidade de Patos espera receber milhares de forrozeiros, que terão atrações nacionais, como Wesley Safadão, Aviões do Forró e Luan Santana.

Alerta à sociedade. “A ideia do lançamento da campanha no Sertão é de interiorizar, replicando-a em todo o Estado e assim abrir os olhos da sociedade para que não mais compactue com a exploração precoce do trabalho”, afirmou o procurador do Trabalho Raulino Maracajá, que está à frente da campanha.

Vídeos serão exibidos nas festas

Nas cidades de Patos, Sousa, Santa Luzia, Santa Terezinha, São Bento, São José do Sabugi e Várzea, no Sertão, além de Sumé, na região do Cariri paraibano, ações semelhantes como as que estão ocorrendo em Campina Grande também deverão acontecer, de acordo com a programação junina de cada uma delas. Panfletagem e distribuição de materiais (leques, porta-copo, lixeiras de carros) acontecerão durante as festas. Vídeos da campanha, gravados com artistas locais e nacionais, em apoio ao movimento serão exibidos nos locais onde haverá shows abertos, como no Parque do Povo em Campina Grande e no Terreiro do Forró, em Patos. 


Um jingle também foi distribuído para ser veiculado, de forma voluntária, em rádios parceiras da campanha.  Além disso, um VT de divulgação da campanha será veiculado em canais de TVs locais e divulgado também durante as festas de rua. 

Na Capital. Em  João Pessoa, a campanha foi divulgada durante o Seminário Estadual de Enfrentamento ao Trabalho Infantil na Política de Saúde, que aconteceu na última quarta-feira, no Centro de Formação de Professores, em Mangabeira, com cerca de 300 participantes. 

 

 

 

Redação



« Voltar
 
Voltar ao topo ↑