31 de Julho de 2017 Cícero Araújo
Imprimir    E-mail

Assalto a igreja acaba em tiroteio, família feita refém, perseguição e seis feridos

Caso aconteceu em Cuité e todas as vítimas foram levadas para o Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grande. Estado de uma delas é grave

Um roubo a uma igreja evangélica na cidade de Cuité, no Agreste, a 235 km da Capital, terminou em tiroteio, na noite desse domingo (30). Seis pessoas ficaram feridas, sendo um policial, três reféns e dois dos cinco suspeitos. 

Segundo a Polícia Militar, o ataque à igreja aconteceu por volta das 22h30. As equipes foram informadas que estaria acontecendo um assalto e, ao chegar ao local, foram recebidas a tiros.

Os assaltantes fugiram em uma caminhonete pertencente a uma família que participava do culto. Os quatro integrantes da família, entre eles uma criança de um ano e meio, foram levados como reféns. Houve perseguição policial e mais troca de tiros. Os três reféns adultos, dois suspeitos e um policial ficaram feridos.

O rapto acabou depois que os assaltantes colidiram o veículo com uma árvore. A polícia cercou o carro e negociou a liberação das vítimas. Elas foram levadas para o Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grande, assim como o policial e os dois suspeitos baleados. Um terceiro suspeito foi preso e levado para a delegacia de Cuité.

Até a publicação desta matéria, a polícia ainda procurava outros dois suspeitos, que teriam dado apoio à ação criminosa. Um carro supostamente usado por eles e com queixa de roubo foi encontrado.

Procurada pelo Portal Correio, a assessoria de comunicação do Hospital de Trauma informou que um dos homens feito refém, de 54 anos, está em situação grave. Ele foi ferido por tiros no tórax e no braço direito. Uma mulher de 30 anos, que sofreu uma fratura na clavícula, segue internada em situação estável. Os outros dois reféns, um homem e uma mulher, ambos de 29 anos, já receberam alta.

Um dos suspeitos, de 29 anos, já recebeu alta, enquanto o outro, de 22 anos, passou por cirurgia e segue internado sob custódia da polícia, em situação estável.

 

 

Redação 



« Voltar
 
Voltar ao topo ↑