18 de Maio de 2017 Cícero Araújo
Imprimir    E-mail

'Não renunciarei', diz Michel Temer em pronunciamento sobre nova crise política

Donos da JBS disseram que Temer deu aval a propina para silenciar Eduardo Cunha

O presidente Michel Temer faz um pronunciamento, nesta quinta-feira (18), do Palácio do Planalto, em Brasília. É a primeira fala de Temer após reportagem do jornal O Globo ter antecipado, na noite de ontem (17), o conteúdo da delação premiada de Joesley e Wesley Batista, do grupo JBS, à Procuradoria-Geral da República (PGR).

Leia também:



"O meu governo viveu nesta semana seu melhor e seu pior momento. O otimismo retomava e as reformas avançavam no Congresso Nacional. Não podemos jogar no lixo da história tanto trabalho feito em prol do País. A investigação pedida pelo STF será território onde surgirão todas as informações. Demonstrarei não ter envolvimento com os fatos. Não renunciarei", disse sendo categórico.

Segundo reportagem do jornal O Globo, em encontro gravado em aúdio, em março deste ano, pelo empresário Joesley Batista, Temer teria sugerido que se mantivesse pagamento de mesada ao ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha, e ao doleiro Lúcio Funaro para que estes ficassem em silêncio. O ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato, no Supremo Tribunal Federal (STF) homologou hoje as delações. O conteúdo dos textos estão sob sigilo. Fachin também autorizou a abertura de inquérito para investigar o presidente da República.

Em nota, a Presidência da República informou, ainda ontem, que o presidente Michel Temer "jamais solicitou pagamentos para obter o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha", que está preso em Curitiba, na Operação Lava Jato. A nota diz ainda que o presidente "não participou e nem autorizou qualquer movimento com o objetivo de evitar delação ou colaboração com a Justiça pelo ex-parlamentar". Segundo a Presidência, o encontro com o dono do grupo JBS foi no começo de março, no Palácio do Jaburu. "Não houve, no diálogo, nada que comprometesse a conduta do presidente da República".  

 

Por Redação, com Agência Brasil



« Voltar
 
Voltar ao topo ↑