10 de Maio de 2017 Cícero Araújo
Imprimir    E-mail

Quixaba e Passagem apresentam menores índices de infestação do Aedes

A Gerência Operacional de Vigilância Ambiental da 6ª Gerência Regional de Saúde apresentou o último Levantamento de Índice Amostral (L.I.A./L.I.R.A), que revela a situação de cada localidade em relação à Infestação Predial (IIP) pelo Aedes aegypti, nos 24 municípios da região que tem Patos como sede.

 

Os menores índices de infestação pelo mosquito Aedes aegypti foram registrados em Passagem 1.1 e em Quixaba, 1,5. Dos 24 municípios inspecionados pela Vigilância Ambiental, 11 apresentam alto risco de infestação, com destaque para Malta, com índice de 16,1 aumento de quase 100%, seguido por Matureia com 9,4.

 

No levantamento anterior somente São José do Bonfim apresentou baixo índice de infestação, com apenas 0,9. Porém no boletim atual os números mostram um crescimento em mais de 100% em imóveis que deram positivo, ou seja, havia foco do mosquito, passando de baixo para médio risco, com 2,1. Patos teve uma redução de infestação, de 6,4 para 4,2, porém ainda permanece na categoria definida pelo Ministério da Saúde, como de alto risco.

 

O município de Teixeira conseguiu expressiva redução no índice de infestação em comparativo com o levantamento anterior, caído de 6.9 para 2.7.

 

As ações de combate ao mosquito transmissor da Dengue, Chikungunya, Zica, Febre Amarela devem acontecer não apenas no período que antecede as chuvas e sim o ano inteiro. A população precisa estar vigilante, fazer seu papel preventivo. Os municípios, com apoio da Gerência Regional, devem intensificar as atividades de controle ao vetor dessas doenças.

 

Na próxima segunda-feira, 15, a 6ª Gerência de Saúde, através da Vigilância Ambiental, com apoio da Gerência de Educação e Agentes de Combate às Endemias de Patos, desenvolverá ações educativas nas áreas do Centro da cidade e no bairro Jatobá, onde acontecerá a audiência pública do Orçamento Democrático.  “O trabalho de conscientização, de combate ao Aedes tem que ser contínuo. É preciso haver essa cultura de prevenção, só assim conseguiremos êxito contra o mosquito que tantos males causa à população”, comentou José Leudo de Farias, gerente regional.

 

 

Marcos Eugênio (6ª GRS)



« Voltar
 
Voltar ao topo ↑