28 de Novembro de 2017 Cícero Araújo
Imprimir    E-mail

Estilo de vida e exames periódicos podem afastar câncer; saiba como

Hospital Napoleão Laureano, referência no tratamento do câncer no estado, atende a uma média de 36 mil pacientes em tratamento de quimioterapia por ano

O Hospital Napoleão Laureano, referência no tratamento do câncer no estado, atende a uma média de 36 mil pacientes em tratamento de quimioterapia por ano. No mesmo período, a unidade também realiza cerca de 120 mil atendimentos de crianças e adultos no ambulatório.

Os números divulgados pela diretora geral do hospital, Tereza Lira, no Dia Nacional de Combate ao Câncer, são uma espécie de alerta para importância da adoção de hábitos de vida saudáveis para a prevenção da doença.

Tereza disse que esse resultado é fruto da boa capacidade técnica do Laureano, mas poderia ser ainda melhor, caso a estrutura da unidade contasse com mais aporte financeiro.  Ela lembrou que como o número de pessoas que precisam de tratamento especializado cresce ano a ano e, só é possível acompanhar essa demanda crescente, com uma maior estrutura. “Para se ter uma idéia, a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Laureano recebe uma média de 160 internações ao mês, e o hospital realiza cerca de 520 cirurgias e 450 internações mensais”, comentou.

Prevenção

A diretora disse ainda que não foi identificada uma causa determinante para o surgimento da doença e que as formas de prevenção estão ligadas praticamente ao estilo de vida e ao acompanhamento periódico da saúde, através da realização de exames. “A prática de atividades físicas regulares, o cuidado com exposição ao sol, aliado ao cuidado com a alimentação e ficar longe do consumo de bebidas alcoólicas e do cigarro, são os principais indicativos para evitar a doença. Sabemos que isso contribui diretamente, mas não existe como prevenir 100%”, alertou.

Números

O número de mortes no Brasil por conta de câncer aumentou 31% desde 2000 e chegou a 223,4 mil pessoas por ano no final de 2015. Os dados são da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Na Paraíba, o Instituto Nacional do Câncer (Inca) estima que em 2017, o Estado deve registrar 8.250 novos casos de câncer, sendo 4.110 entre homens e 4.140 entre as mulheres. Os tipos mais comuns nos homens paraibanos são os de próstata, pele não melanoma e estômago. Entre as mulheres, os mais comuns são pele não melanoma, mama e colo do útero.

Iniciativas em defesa dos portadores de câncer

Na Paraíba, o presidente da Frente Parlamentar de Combate ao Câncer na Assembleia Legislativa da Paraíba, deputado Bruno Cunha Lima (PSDB), disse apresentou dois projetos de lei em prol de pessoas acometidas pela doença.

Um dos projetos apresentados pelo parlamentar na Casa sugere ao governador que considere a necessidade de criação e implementação de Unidades de Cuidados Prolongados para pessoas com câncer nos municípios pólos do Estado. Segundo o deputado, a criação dessas unidades para pessoas com câncer é ideia que se construiu na discussão com órgãos e entidades ligadas ao setor oncológico.

A outra iniciativa diz respeito a criação de um Programa de Acompanhamento Psicológico para acompanhar o paciente com câncer e seus familiares.

 

 

Redação 



« Voltar
 
Voltar ao topo ↑