A Paraíba registrou 1.856 mortes por infarto agudo do miocárdio entre os meses de janeiro e novembro deste ano, conforme dados da Secretaria Estadual de Saúde. O número representa pelo menos 168 óbitos mensais no Estado em decorrência do problema.
 
No mesmo período do ano passado, um total de 2.218 pessoas morreram em decorrência da doença, o que representa uma queda de 16,32% no número de óbitos. Entre os principais fatores de risco estão pressão alta, diabetes, histórico familiar, colesterol alto, sedentarismo e tabagismo. 
 
“A redução no número de óbitos não significa, exatamente, que as pessoas estão adoecendo menos. De toda forma, existe uma relação com estilo de vida, prática de exercícios físicos e alimentação, cujo comportamento as pessoas tendem a mudar a partir do diagnóstico das doenças do coração. Apesar dessa redução, as doenças decorrentes do coração são as que mais matam os paraibanos”, explicou a secretária de Estadual de Saúde, Claudia Veras.

 

 

 

 

Redação