Com 136 maternidades participantes, a ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) inicia em janeiro a segunda etapa da Campanha Parto Adequado.
 
A meta é reduzir o número de cesarianas desnecessárias, ou seja, que não tenham indicação clínica e sejam feitas apenas por conveniência das partes envolvidas, podendo, inclusive, causar prejuízos à saúde do bebê. No ano passado, 35 maternidades fizeram parte da primeira fase da campanha.
 
O projeto é desenvolvido em parceria com o Hospital Israelita Albert Einstein e o Institute for Healthcare Improvement. Sessenta e oito operadoras de planos de saúde manifestaram interesse em apoiar o projeto.
 
Segundo o diretor de Desenvolvimento Setorial da ANS, Rodrigo Aguiar, no período de festas de fim de ano, o problema das cesarianas desnecessárias agrava-se.
 
“Por conta das festas, a tendência é haver antecipação da data do parto, e em períodos que variam entre uma a duas semanas da data adequada”.

 

 
 
 
Redação