Caso aconteceu quando a vítima trabalhava no beneficiamento do caulim, uma argila branca usada na fabricação de papel, cerâmica e tinta

Um trabalhador identificado como Ramiro Antônio da Silva, de 51 anos, morreu, na madrugada desta quinta-feira (25), após ter o braço esquerdo e parte da cabeça dilacerados depois de cair em uma máquina durante um acidente de trabalho em uma mineradora do município de Junco do Seridó, no Sertão paraibano, a 240 quilômetros de distância de João Pessoa.

Segundo o delegado Manoel Martins, da Polícia Civil em Patos, o caso aconteceu por volta das 3h45 quando a vítima trabalhava no beneficiamento do caulim, que é um tipo de argila branca usada na fabricação de papel, cerâmica e tinta.

“O homem estava em um local alto, aguando o caulim e acabou escorregando, caindo entre o motor e a polia (uma roda para correia transmissora de movimento). Após a queda ele ficou com o braço esquerdo e a cabeça presos entre o motor e a polia e não conseguiu se soltar. Por conta disso o homem teve dilaceração do braço esquerdo e de parte da cabeça, morrendo no local”, contou o delegado.

Ainda conforme o delegado, um companheiro de trabalho foi quem percebeu a morte da vítima e acionou a polícia. O delegado também informou que a mineradora será indiciada por homicídio culposo, quando não existe intenção de matar.

“Todo acidente de trabalho é culpa da empresa. Embora o dono tenha nos dito que existem trabalhadores específicos para inibir acidente de trabalho, a empresa deverá indiciada porque o trabalhador não utilizava sequer o capacete no momento do acidente, ele estava apenas de botas. Agora, iremos repassar o caso para o delegado Rones Feitosa”, concluiu o delegado Manoel Martins. 

 

 

 

Por